Onde se respira música.

30/03/2018

A libertação de Teco Martins com "Solar"

Resultado de imagem para teco martins solar

Lá se vão sete anos desde o último disco do Rancore, o aclamado "Seiva", e quatro anos desde o anúncio de hiato da banda. Se as suas lembranças são os vocais cortantes de Teco Martins e a energia em cada palavra vociferada, elas podem servir de contraste com tudo o que "Solar", seu novo disco solo, representa.

Fato é que Teco nunca pareceu tão à vontade em sua carreira como agora. "Solar" é a representação da libertação. Uma espécie de catarse. Com uma sonoridade que remete a brasilidade em transição dos anos 60 para 70, de nomes como Novos Baianos e Os Mutantes, Teco é capaz de adicionar os mais variados elementos, como um dueto em "Células", faixa que abre o disco, além de pandeiros e triângulo; A simplicidade em "Lèlövéy", seu contraste na velocidade dos acordes do violão e na linha de baixo rápida; A purificação notória em canções como "Sal Grosso" ("Sal grosso / Que vem do mar / Que vem do sol / Que secou minhas lágrimas") sintetiza o espírito de Teco, tornando o álbum uma experiência sensorial de cerca de 45 minutos.

O candomblé também tem forte influência no disco, com "axé", que significa "energia" ou "poder", presente em canções como "Verão e Melancia" e "Adorei", essa última cheia de percussão típica da religião. "Amoreiras-Ipê" é, por sua vez, carregada de percussão, instrumentos de sopro e astrologia, trazendo a tona a essência do que é "Solar" ("Só reencontra a primavera quem sobrevive ao inverno").

"Música Para o Amor da Minha Vida" denota a plenitude de Teco por ter seu porto seguro, enquanto "Aos Pés do Cajueiro" pode ser facilmente confundida com uma música de algum artista nordestino por conta do timbre vocal de Teco. A diversidade nos elementos parecem também ter influências rebuscadas de George Harrison, em sua época de descobertas espirituais ainda nos Beatles.

Em suma, "Solar" é um convite ao expurgo a partir da natureza, mas não sem se deixar enaltecer tudo que ela nos fornece. As estações são metáfora para a transição espiritual, e o sol, portanto, é a ferramenta essencial para isso.

Que a evolução espiritual do Teco nos proporcione mais discos como "Solar"!


Share:

Tradução

Feed

Digite seu email abaixo:

Instagram

Twitter