Onde se respira música.

12/04/2016

A ode de Stevie Wonder às suas origens


Ser uma lenda da música é coisa para poucos. Mas quando se trata de uma lenda reverenciando outra, isso só enaltece a grandiosidade do artista em questão. Assim é com Stevie Wonder, que em 1976 lançou "Sir Duke", faixa do clássico álbum "Songs In The Key of Life".

Em 1976, Wonder já tinha mais de uma década de carreira, além de vir de grandes álbuns ["Talking Book", de 1972, e "Innervisions", de 1973]. Com a faixa, ele veio para homenagear a era das big bands, mas mais precisamente Duke Ellington, que faleceu dois anos antes. E se tratando de uma homenagem a um dos expoentes do jazz, nada melhor que encher a canção de metais. Começando pela intro cativante, e Wonder aparecendo no ritmo da guitarra, com um riff muito simples, por sinal. A bateria também é responsável pelo swing da canção.

O tributo fica evidente na estrofe "A música sabe que é e sempre será / Uma das coisas da vida que não acabará / Mas aqui estão alguns dos pioneiros da música / Que o tempo não nos permitirá esquecer / Aqui está o Basie, Miller, Satchmo, e o rei de todos: Sir. Duke / Com uma voz sonora como a de Ella / Não há como a banda poder perder." Os artistas citados são Count Basie, Glenn Miller e "Satchmo", como Louis Armstrong era conhecido, além de Ella Fitzgerald.

Mas a canção vai além do tributo. É um reconhecimento do poder que a música tem sobre nós, de a entendermos e sermos entendidos, simultaneamente.

A canção foi lançada como single em 1977. Também foi incluída no livro "1001 canções para ouvir antes de morrer".

Share:

Tradução

Feed

Digite seu email abaixo:

Instagram

Twitter