Onde se respira música.

17/10/2015

Resenha | Coheed and Cambria - The Color Before The Sun [2015]



O Coheed volta dois anos após o lançamento do duplo "The Afterman". E a mudança é visível... Marca da carreira do grupo, pela primeira vez não vemos um álbum conceitual. "The Color Before The Sun", lançado hoje, tem uma diversidade a qual raramente se viu na banda. O que pode não agradar aos fãs mais xiitas. O amadurecimento é visível, e o som se abrange desde um som mais pop até sons bem mais densos puxados para o heavy. E para isso, o baixo de Zach Cooper tem um papel essencial.

"Island" é um dos melhores exemplos do pilar pop do disco, em especial pelos vocais de Claudio Sanchez e o riff nada elaborado de guitarra. E "Eraser", divulgada há duas semanas, reforça essa pegada em parte do disco. A energia de Sanchez de uma década atrás é trocada pela cadência na maioria das vezes.

A serenidade de "Colors" a torna uma das preciosidades do LP, pelo andamento que Sanchez é capaz de dar, especialmente no refrão. Um outro ponto de vista bem perceptível no álbum é a inclusão de letras bastante pessoais para o vocalista, como em "Here to Mars", onde ele conecta amor com a física, como o próprio título indica. A faixa também contém uma referência do disco de 2005 da banda, "Good Apollo", no trecho "'Cause there's no one like you on earth / That can be my burning star".

"Ghost" é tão tranquila com seu dedilhado que poderia ter sido tirada de algum álbum do Stone Sour. Até o timbre de Sanchez é, em alguns momentos, parecido com o de Corey Taylor. "Atlas" tem uma das melhores letras do disco, retratando coragem, independência - ou a falta de - além de arrependimento por oportunidades perdidas. É, sem dúvida, a que mais demonstra maturidade do grupo no disco. Assim como em "Here to Mars", o amor também é tema em "Young Love", mas com uma abordagem diferente, demonstrando algum tipo de ressentimento.

Com uma abordagem pop, "You Got Spirit, Kid", um dos singles, retrata a busca de forças e a luta praticamente contra tudo e contra todos. Como citado acima, o disco vai do pop à partes mais extremas do heavy. E "The Audience" é o melhor exemplo possível. O groove que Zach Cooper causa é primordial para a canção. E para fechar, a quase-canção de luau "Peace to The Mountain" é uma das joias raras do disco. Muito se deve pela orquestração em sua parte final, com uma produção impecável.

Um disco que deixa a desejar em vista do que o Coheed apresentava há cerca de dez anos, mas que mostra total coragem da banda de partir em novos rumos, mesmo que signifique um mudança um tanto brusca em seu som.

Tracklist

  1. Island
  2. Eraser
  3. Colors
  4. Here to Mars
  5. Ghost
  6. Atlas
  7. Young Love
  8. You Got Spirit, Kid
  9. The Audience
  10. Peace to The Mountain

Produção: Jay Joyce / Coheed and Cambria

O álbum está disponível também no Spotify:




Share:

Tradução

Feed

Digite seu email abaixo:

Instagram

Twitter