Onde se respira música.

09/09/2013

Resenha | Arctic Monkeys - AM [2013]


Como tem feito desde 2007, após dois anos desde "Suck It and See", Alex Turner e cia. liberarão nesta terça "AM", o quinto disco da banda. Um dos mais aguardados do ano, "AM" começou a causar ansiedade em muita gente após a divulgação de "Do I Wanna Know?".

E é justamente com ela que se dá início ao disco. Talvez o carro-chefe do álbum, "Do I Wanna Know?" mostra um Alex em sintonia com Jamie Cook na guitarra, além de Nick O'Malley dando o tom no baixo. Logo em seguida vem a manjada "R U Mine?", que já não é surpresa pra ninguém desde fevereiro de 2012, mas que não fica pra trás em nenhum momento. Mais agressiva, o riff de guitarra é muito bem elaborado, e novamente o baixo tem certo destaque, sem esquecermos, é claro, da incrível ponte e sintonia de Alex e Jamie nas guitarras, e das viradas de Matt Helders na batera.

"One for The Road" chega como uma troca de favores. Se Alex participou de "...Like Clockwork" na faixa "Kalopsia", é a vez de Josh Homme colaborar. Os famosos agudos de Josh predominam a canção, e o ritmo lembra um pouco o que é o último disco do Queens... "Arabella" flerta com um som mais dançante, apesar de o solo final ser incrível.

"I Want It All" 'sai da estrada' do disco, com um riff repetitivo e distorções. "No. 1 Party Anthem" lembra "Cornerstone", do "Humbug", só que mais lenta e com certa orquestração. "Mad Sounds" vem com um backing vocal grudento, sendo tão lenta quanto "No. 1...". "Fireside" vem com pouca inspiração, uma bateria monótona, mas os teclados amenizam a pouca qualidade da canção.

"Why'd You Only Call Me When You're High?", também já divulgada pouco antes do lançamento, sobe o nível novamente, com a voz de Alex em harmonia com o riff simples e adequado de guitarra. "Snap Out of It" tem qualidade pra ser uma das melhores "não-hits" do álbum, com teclados preenchendo bem o ritmo, em certos momentos parecendo "Hardest Button to Button" do White Stripes, e com o dom de Alex de fazer certas músicas soarem sessentistas, assim como o fez no único disco do Last Shadow Puppets.

Em "Knee Socks", o baixo comanda o tempo todo, e Josh Homme volta pra fazer os vocais com Alex, além dos ecos na ponte com os vocais femininos. A canção se salva pela junção de vocais no final. "I Wanna Be Yours" fecha o álbum com melancolia.

Que o Arctic Monkeys já não é mais o mesmo, isso é fato. Não dá para comparar "AM" com "Whatever People Say I Am", mas falta um pouco do rock de garagem de início de carreira. Falta aquela pegada que tanto fez surgir a banda. É perceptível que Alex está seguindo os caminhos do seu mestre Josh Homme, mas que siga pelo que Josh foi no início dos anos 2000, com um Stoner Rock, e não pelo que ele está se tornando agora.

Abaixo o álbum em streaming:

Share:

Tradução

Feed

Digite seu email abaixo:

Instagram

Twitter